Gustavo Lopes

Coluna do Gustavo Lopes

Veja todas as colunas

O clássico carioca mais triste da história

Trata-se de mais um caso que demonstra a necessidade do manejo do Direito Desportivo por pessoas que conheçam da matéria.

18/02/2019 às 03:19

Marcelo de Jesus/Raw Image/Estadão Conteúdo

A Justiça carioca determinou que a partida final da Taça Guanabara entre Vasco e Fluminense fosse disputada com portões fechados, ou seja, sem a presença de torcedores. A decisão teve como fundamento ausência de previsão contratual para setorização das torcidas e risco de conflitos.

Antes de se adentrar no mérito da decisão, deve-se destacar que a pendenga se iniciou quando o Fluminense manifestou insatisfação por não ter sua torcida no setor sul do Maracanã. Do ponto de vista merdadológico, prático e de gestão de um evento, há completa falta de sentido na discussão sobre setores de torcida. O importante é que seja feito um Plano de Ação, nos termos do Estatuto do Torcedor e que a segurança seja garantida.

No que diz respeito à mencionada decisão, ela aponta total desconhecimento do Direito Desportivo por parte do julgador.

Ora, o art. 217 da Constituição Brasileira em seu inciso I assegura a autonomia das entidades desportivas dirigentes e associações, quanto a sua organização e funcionamento e o §1º, por sua vez estabelece que o Poder Judiciário só admitirá ações relativas à disciplina e às competições desportivas após esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva.

O Estatuto do Torcedor, por sua vez, no art. 3º dispõe que os fornecedores do evento são a entidade responsável pela organização da competição, bem como a entidade de prática desportiva detentora do mando de jogo.

Portanto, questão atinente à presença de público e organização quanto a mandante ou visitante é das entidades desportivas organizadora e mandante de forma autônoma, o que enseja a falta de interesse de agir no Poder Judiciário.

Inclusive, o Regulamento Geral das Competições da Ferj em seu art. 16 confere à sua Diretoria de Competições organizar, dirigir, administrar e superintender as competições, praticando todos os atos de natureza técnica e administrativa necessários para as partidas.

O art. 19 do mesmo Regulamento estabelece as regras de segurança, portanto, qualquer decisão de jogo com portões fechados deve ser tomada no âmbito da Ferj ou por imposição da Justiça Desportiva.

Além disso, na demanda judicial em questão, a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) sequer é indicada como parte, o que ensejaria, de plano, a necessidade de sua inclusão no polo passivo da demanda para análise da liminar.

A determinação para que a partida ocorresse sem torcedores causou imenso tumulto e violência nas imediações do estádio, ou seja, além da decisão judicial não ter atingido o seu objetivo, acabou por causar violência.

Trata-se de mais um caso que demonstra a necessidade do manejo do Direito Desportivo por pessoas que conheçam da matéria. A referida disciplina precisa ser incluída como obrigatória nos cursos de direito, na prova da OAB e nos concursos públicos para Ministério Público e Magistratura.

Ao contrário do que quer fazer parecer o senso comum, as questões do desporto são fruto de intensos estudos científicos e as decisões, ainda que eivadas de boas intenções, tomadas sem o devido conhecimento trazem resultados avassaladores para clubes, torcedores e demais envolvidos.

A popularidade do futebol faz que todo torcedor magistrado, advogado, ou não, sinta-se confortável para pitacos jurídicos, o que não ocorre, por exemplo, em questões de Direito Minerário, Naval ou Ambiental.

Portanto, à César o que é de César e ao Direito Desportivo o cunho científico que ele necessita e que é tanto defendido e difundido pelo Instituto Brasileiro de Direito Desportivo, pela Academia Nacional de Direito Desportivo, pelo Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo e por várias outras entidades regionais, como o Instituto Mineiro de Marketing, Gestão e Direito Desportivo o qual tenho a honra de presidir.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    "Se eu trocar (o diretor-geral da PF) hoje, qual o problema? Está na lei que eu que indico e não o Sergio Moro. E ponto final".

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    "Pode, pode ser fazendeiro, pode. Todo mundo é suspeito, mas a maior suspeita vem de ONGs".

    Acessar Link