Notícias

Tratamento de Déficit de Atenção pode ser completamente assistido pelo SUS

Por Aline Campolina/Itatiaia, 13/11/2019 às 16:34
atualizado em: 13/11/2019 às 16:37

Texto:

Foto: Reprodução / Agência Brasil
Reprodução / Agência Brasil

Doença que afeta até 5% das crianças no mundo, o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) deve ganhar um tratamento mais adequado e um diagnóstico mais rápido em todo o país. Pela primeira vez, o Ministério da Saúde ouve a população para discutir o assunto e, após o resultado da consulta pública, poderá incorporar o diagnóstico, tratamento e medicação para o TDAH por meio Sistema Único de Saúde (SUS).
 
Segundo Rodrigo Carneiro, neuropediatra e presidente da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil (ABENEPI), o Transtorno do Déficit de Atenção é uma doença do neurodesenvolvimento extremamente prevalente na infância que tem como principais sintomas a desatenção, a impulsividade e a hiperatividade.

"Esses sintomas impactam na vida da criança e da pessoa durante a vida toda - na escola, no aprendizado, nos relacionamentos familiares, nos relacionamentos pessoais e na vida profissional”, explica.

De acordo com a Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA), já existem inúmeros estudos em todo o mundo – inclusive no Brasil – demonstrando que a prevalência do transtorno é semelhante em diferentes regiões, o que indica que ele não é secundário a fatores culturais (as práticas de determinada sociedade, etc.), o modo como os pais educam os filhos ou resultado de conflitos psicológicos. Ainda segundo a Associação, estudos científicos mostram que portadores de TDAH têm alterações na região frontal do cérebro. Esta região é responsável pela inibição do comportamento (isto é, controlar ou inibir comportamentos inadequados), pela capacidade de prestar atenção, memória, autocontrole, organização e planejamento.

Para o médico, “é extremamente importante a consulta que o Ministério da Saúde está fazendo para que façam as diretrizes de tratamento e de diagnóstico. Com isso vamos poder, não só fazer o diagnóstico correto, mas propor um tratamento completamente assistido pelo nosso SUS”. A consulta pública fica aberta até dia 25 de novembro no site da ABDA.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link