Notícias

Em tempos de pandemia de coronavírus, a falta de um abraço quando deve-se evitar o contato

Por Redação, 07/04/2020 às 08:02
atualizado em: 07/04/2020 às 08:09

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00


De quem você sente mais saudades de abraçar? A falta que um abraço pode fazer vai muito além da impossibilidade de contato físico. Ele é, muitas vezes, a maior forma de expressão de amor entre duas pessoas. Uma das formas de expressar o amor, a saudade, demonstrar a importância de uma pessoa é como um abraço ou um beijo. E para muitos o isolamento social está provocando mais do que a sensação de vazio. 

Para o professor, escritor e dramaturgo do departamento de comunicação social da Universidade Federal de Minas Gerais Juarez Guimarães, a privação do contato físico, mesmo com as redes sociais, mostra que isso não é substituível. 

“A comunicação começa exatamente no encontro dos corpos porque somos seres relacionais. A nossa relação se dá na presença desde que a gente nasce. Mesmo com a proliferação dos dispositivos tecnológicos e o crescimento da nossa presença nas redes, de alguma forma a gente imaginou, supomos que a comunicação presencial pudesse ser substituída pela comunicação digital, pelo virtual, pela presença online. Ao mesmo tempo, hoje é isso que tem inclusive no salvado nessa quarentena. Mas ao mesmo tempo nos coloca em revisão a necessidade da importância do encontro dos corpos do acerto, dos sentidos”.

A professora de antropologia e arqueologia da Universidade Federal de Minas Gerais Érica Renata de Souza diz que o corpo é um instrumento de dialogar com o mundo e no Brasil a gente tem um modo de se relacionar bastante com o corpo. Para ela, quando voltarmos a nos tocar algo vai estar mudado. “Obvio que a gente vai retomar as nossas práticas anteriores e continuar abraçando e beijando, mas alguma coisa, algum ranço, vamos dizer assim, dessa reflexão vai aparecer nessas relações.

E você? Já pensou quem quer muito abraçar depois da pandemia do coronavírus?

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'É importante lembrar que cada pessoa precisa de uma quantidade mínima de horas de sono diferente'.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O crime aconteceu na BR-040, em Nova Lima, Região Metropolitana de Belo Horizonte, em fevereiro deste ano. A mulher, de 31 anos, morreu na hora.

    Acessar Link